Sweden Rock Festival - Day 3 (10-06-2016)

Começando o terceiro dia do Festival já bate uma pontinha de tristeza, pois o terceiro dia está mais próximo do final.

Surpreendentemente o clima continuava bem favorável. Chuvas bem esparsas e bem rapidas e logo o sol voltava na temperatura exata para correr de um lado para o outro.

E começando as coberturas do dia, a holandesa Epica, uma das mais expressivas bandas de metal sinfônico sob o vocal potente de Simone Simons, abre o Lemmy Stage para o penúltimo dia de festa. Já por volta das 12:00pm o parque já estava bastante movimentado, em especial para curtir o show de Epica. A banda está em processo de gravação de seu sétimo álbum.

Em breve, no Festival Stage, iria começar o show da americana Dan Reed Network, grande favorita entre os suecos nos anos 80 e 90. Com uma mistura de rock, funk e ritmos latinos, agitaram o público fazendo os headbangers balançarem o esqueleto. O sol estava raiando e a vibe no parque estava boa demais!

Após uma pequena pausa, fui em direção do Sweden Stage para conferir a japonesa Loudness. Uma lenda do hard rock, com vinte e seis álbuns de estúdio desde 1981, estava fazendo sua primeira apresentação no Sweden Rock Festival. E que apresentação! Os japoneses têm o poder incrível de contagiar o público.

Um dos grandes esperados do festival foi Glenn Hughes. Figura importante no rock mundial, que vem desde a década de 70 fazendo história passando pelas bandas Trapeze, Deep Purple, Black Sabbath, Gary Moore e muito mais. Glenn continua maravilhosamente cantando e encantando com sua voz através do blues, do soul e do hardrock.

Outra grande esperada do festival foi Lita Ford. Representando a safra de roqueiras guitarristas da voz forte e rouca dos anos 70. Conhecida pela sua participação na banda Runaways ao lado da também lendária Joan Jett. Após o fim da Runaways, Lita Ford partiu para carreira solo. Sem dúvida alguma foi um show maravilhoso com Lita provando que ainda tem muito gás para queimar na estrada do rock and roll. E o público comprovou que ela está em muito boa forma física e musical.

A caminho da sala de imprensa antes do término do show da Lita, fiz uma parada no Rockklassiker Stage. O que me chamou a atenção foi um som "old school" da jovem canadense de 2009, Monster Truck. Um som bacana misturando blues, groove, rock and roll. Depois de alguns cliques, segui caminho pois em breve começaria a coletiva de imprensa da norte americana Twisted Sister, auto intitulada Twisted "Fucking" Sister. Devido ao atraso da banda, a coletiva ocorreu exatamente no mesmo horário do show da também norte americana Foreigner, mas achei mais importante estar na coletiva. Aconteceria o anúncio de Mike Portnoy no lineup da banda substituindo A. J. Pero além de falar da turnê de despedida "Forty and Fuck It". Twisted Sister ia encerrar as apresentações do Festival Stage neste terceiro dia.

Ao final da coletiva, segui para o Lemmy Stage para acompanhar o show da sueca Hellacopters de 1994. A banda nasceu como projeto paralelo de Nicke Andersson (na época membro da banda Entombed) e Dregen (Backyard Babies) e em 1996 lançou seu primeiro álbum "Supershitty to the Max", gravado em apenas 26 horas e vencedor do Grammy. Em 2008, já com sete álbuns de estúdio, a banda se consagrou como uma das maiores influências na cena do rock sueco e hoje, oito anos depois, fez novamente esta apresentação no Sweden Rock Festival como show de aniversário de 20 anos do primeiro álbum.

Ao mesmo tempo, no Sweden Stage, o power metal dos alemães do Gamma Ray. Fundada em 1989 e com onze álbuns de estúdio, o ex- Helloween Kai Hansen divide os vocais com Frank Beck desde 2015.

Em seguida voltei para o palco principal, o Festival Stage. A Headliner Twisted Sister já pronta para subir ao palco. Eis que parte da cozinha foi preenchida por Mike Portnoy levantando as baquetas e saudando o público! A banda inteira ocupou o palco e deu início ao grande show de despedida. Eu estava felicíssima pois a banda já havia nos avisado que poderíamos fotografar o show inteiro! Sonho de qualquer fotógrafo de show que hoje como de praxe pode no máximo fotografar as três primeiras músicas de qualquer show. Teve fogo no início, teve fogos no final! Foi um grande espetáculo e Dee Snider se comunicou muito com o público. Falou bastante sobre A. J., sem deixar de elogiar e agradecer Mike Portnoy por acompanhar a banda.

No decorrer da apresentação, todos os integrantes dedicaram algumas palavras ao público, e em alguns momentos parecia que a banda não queria deixar o palco.

Ao mesmo tempo rolava o show da norueguesa Satyricon no 4Sound Stage e logo após fechando o terceiro dia, deu início ao show da alemã de opera rock Avantasia. Projeto de Tobias Sammet (EdGuy). A primeira vez que fotografei Avantasia foi no Sweden Rock Festival 2008, e como vocalistas convidados pudemos conferir Jorn Lande e Andre Matos. Nesta edição de 2016, tivemos Ronnie Atkins (Pretty Maids) e Michael Kiske (Unisonic).

E assim fechamos o terceiro e penúltimo dia de Sweden Rock Festival. Agora a tristeza começa a crescer. Só de imaginar que o dia da despedida está para começar, já enche os olhos d’água. Mas se as coisas maravilhosas da vida não tivessem um fim, elas não seriam maravilhosas.